Após ataques em redes sociais, Presidente da Câmara de Parintins alerta sobre cuidado com informações sob sigilo judicial

por Clely Ferreira publicado 18/09/2019 10h11, última modificação 18/09/2019 10h11 Texto: Clely Ferreira - Assessoria de Imprensa da Câmara / Foto: Simone Brandão
Tentam denegrir, de todas as formas, a imagem do Poder Legislativo da cidade de Parintins. Desta vez, a vitima foi o presidente da Câmara Municipal, vereador Telo Pinto (PSDB), que vem enfrentando problema referente a um vídeo publicado nas redes sociais. O assunto foi tema de discussão do parlamentar na tribuna nesta terça-feira (17/09).

Tentam denegrir, de todas as formas, a imagem do Poder Legislativo da cidade de Parintins. Desta vez, a vitima foi o presidente da Câmara Municipal, vereador Telo Pinto (PSDB), que vem enfrentando problema referente a um vídeo publicado nas redes sociais. O assunto foi tema de discussão do parlamentar na tribuna nesta terça-feira (17/09).

“Desde o dia 4 de setembro, eu venho sofrendo uns ataques, com um depoimento que fui dar no Fórum de Justiça. O depoimento que eu dei não foi nada alarmante, o conteúdo do que eu falei é altamente tranquilo. Mas, o que me chama atenção e me deixa extremamente preocupado é pelo vazamento de um vídeo que está sobre poder da Justiça. O vídeo desse depoimento estranhamente vazou. É um crime grave”, expôs.

“Não foi uma câmera escondida, um sistema de espionagem, uma filmagem sem autorização de quem estava presente. Foi um vídeo legal. Como que uma pessoa de um grupo de redes sociais de WhatsApp e de Facebook tem acesso a esse vídeo? Tem acesso e publica, de forma pejorativa e forma difamatória nas redes sociais, tentando atingir a imagem de um integrante desse Poder Legislativo”, completou.

Telo classificou como “um desrespeito com a Casa Legislativa” e disse que não vai ficar impune. “Eu, como presidente desta Casa, estou acionando todas as formas jurídicas possíveis para elucidar esse fato”, declarou.

Para tanto, está com todo um trâmite legal instaurado sobre o ato criminoso. Foi informado sobre sindicância interna para apurar o vazamento do vídeo, cujo acesso é somente para juízes, promotores, desembargadores e os advogados habilitados no processo.

O edil avaliou que o ocorrido fragiliza, inclusive, o poder Judiciário. Fez um alerta para o cuidado sobre quem manuseia as informações sigilosas da Justiça. O arquivo audiovisual, de acordo com o Presidente da Câmara de Vereadores, denigre dois poderes: o Legislativo e o Judiciário. Pede punição “porque os poderes têm que ser respeitados”.